Só para quem tem fascínio pela bicicleta

A Sara Margaça trabalha nos bastidores da BUGA. “É a parte que não está tão ligada com o público. Trabalhamos com o Sr. Alcino e é ele quem nos reporta as coisas. Quantas BUGAs estão a andar, quantas é que estão avariadas”.

É natural da Gafanha da Nazaré e é por lá que pedala com alguma regularidade as suas duas bicicletas, uma delas até a mandou vir da Holanda. “Vou às compras, vou ao jardim. Em Aveiro não me sinto tão segura. Ou é por ver muitas bicicletas a andar na Gafanha que chama para andarmos”. Numa Yé-Yé, tem por hábito passear com a bebé. Vai até à Vagueira, passando pela ponte da Praia da Barra. “A minha filha quando vai atrás adormece sempre”.

Adora andar de bicicleta e o trabalho permite-lhe ter um olhar privilegiado sobre o estado da BUGA. “Como está, para uso diário não é o melhor sistema. Tinha de haver mais pontos com várias bicicletas. Havia uns 20 parques espalhados pela cidade. Passaram a três e com o passar dos anos ficou apenas a Loja da BUGA. Hoje é praticamente só para turistas ou para quem tem mesmo o fascínio pela bicicleta.”