Dois meses de azar

O Rui Lemos é da Figueira da Foz mas depois de estudar em Aveiro, ficou por ali para trabalhar até hoje. Primeiro, deslocava-se maioritariamente a pé, mas nos últimos anos de curso adquiriu o hábito de fazer os seus trajetos de bicicleta, “excepto quando está a chover”, conta, nesse caso partilha carro com um colega.

No “ano passado, quando estava a estagiar”, o Rui ganhou uma bicicleta num sorteio. Já tinha uma, ficou com duas. Mas, como diz um povo, tudo o que sobe, também desce. “Num período de dois meses, fiquei sem as duas bicicletas. Uma desapareceu na Figueira da Foz e a outra desapareceu em Aveiro, dentro de um prédio. Já andava de bicicleta em Aveiro há anos e nunca me tinha acontecido nada”.

Ultimamente, parece que a sorte mudou. “Pneus furados e coisas dessas. É a falta de jeito”.

Nunca andou de BUGA. Vive “afastado do centro”, o que deixa a Loja das Bugas um pouco “fora da mão” do Rui. “Envolve um bocado de logística, mas era bom espalhar a BUGA por mais pontos da cidade. Sobretudo para os turistas explorarem a cidade, é uma excelente iniciativa”.