“BUGA com vida nova”

José Ribau Esteves, actual Presidente da Câmara Municipal de Aveiro. Era ainda  Presidente da autarquia de Ílhavo quando a BUGA nasceu. Conta-nos que o terramoto mediático chegou depressa até à cidade vizinha, naquele principio de século.

Numa altura em que lhe perguntavam se Ílhavo também ía ter uma bicicleta para todos usarem sem que ninguém tivesse que pagar por isso. Baptizando-a mesmo de BUGI. A resposta do então Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, deu uma história muito contada nos anos seguintes.

O próprio Ribau Esteves nos conta de sorriso aberto como foi o dia em que encarregou os funcionários da câmara de porem em prática a campanha que concebeu. Ele mesmo tinha pensado nos detalhes.

O cenário seria um cartaz de grandes dimensões colocado na rotunda onde já estavam as bandeiras da cidade e das freguesias. Como protagonista era preciso encontrar uma ciclista, morena, de boa perna. O texto era breve e inequivoco mas devia ser escrito em letras gordas: Cada um anda na sua.

E assim passaram a ser recebidos os que chegavam a Ílhavo vindos, por exemplo, de Aveiro.

O tempo necessário para pensar em todos os pormenores pode muito bem ter vindo de um dos seus longos passeios de bicicleta. Não é ciclista de casa-trabalho como a maioria em Aveiro também não o é, conta-nos. Mas dedica muito do seu pouco tempo livre a pedalar. Conta histórias com dezenas de quilómetros sem se dar conta do espanto de quem o ouve. Histórias quase sempre com a sua bicicleta de estrada no papel principal. Salvo um outro passeio em montanha com uma bicicleta emprestada.

Só não se entusiasma com as bicicletas elétricas. Sem o esforço das pernas não reconhece a nenhum veículo, sequer, o nome de bicicleta.

José Ribau Esteves é um autarca capaz de arrumar os assuntos em menos de meia-dúzia de palavras. Mas, agora que é presidente da autarquia de Aveiro, o assunto desta história reabriu-se sobre a sua mesa de trabalho.

Mas não vale a pena pedirem-lhe para contar como será o próximo capítulo.

Dessa história só revela que “a BUGA é para ficar estando a ser preparada uma nova fase de vida, com vitalidade e sustentabilidade”.

Vai mudar, sim, mas só no significado de uma letra, o “G”, o que era de “gratuita”. E, as bicicletas, que têm de ser novas. E, os estacionamentos, que têm de estar perto de quem chega à cidade, e das escolas, em particular da Universidade. E, as ciclovias, que não estão bem como estão. E, podem ter uma rede, onde caibam as bicicletas dos munícipios vizinhos.

“À boa imagem da BUGA, vai juntar-se uma vida nova” garante.