A BUGA dos fins-de-semana

Quando se trabalha na Loja das BUGAs, mesmo que em part-time, é impossível não nutrir por elas um carinho especial. É o que sente Marley, que desde há cinco anos, todos os fins-de-semana, entrega as bicicletas nas mãos de quem as procura.

O futuro engenheiro civil já utilizou a BUGA para se deslocar até à Universidade, mas com a recente mudança de casa saiu “do limite de circulação permitido para a BUGA”. Motivo a que ainda junta o seu exigente estatuto de trabalhador estudante para não usufruir diariamente da bicicleta de que cuida. Utiliza agora o carro por ser frequentemente a melhor solução para os seus problemas diários. Apesar dos obstáculos não colocou travões no prazer de pedalar e tem agora a sua própria bicicleta.

Do alto da sua experiência, Marley diz que a BUGA ainda tem bastante procura. “Aos fins-de-semana abro a loja às 10h e às 11h30 já não tenho bicicletas”.

Na maioria são os turistas e estudantes estrangeiros que vêm buscar as bicicletas à loja. Já os aveirenses aparecem menos por ali ao fim-de-semana. Na sua opinião isto acontece por causa das rotinas diferentes. Não é culpa das bicicletas.

Esperançado quanto ao futuro, Marley acredita na aquisição de novas e melhores BUGAs. Um futuro em que espera ver todo o sistema funcionar melhor com uma maior sensibilização da população.

É preciso que as pessoas possam ver a BUGA “como algo útil” nas suas vidas.